Erosão Dentária

A Erosão Dentária é a perda ou desgaste da camada externa que reveste e protege os dentes, que gradativamente vai diminuindo de tamanho e ao mesmo tempo expõe para o meio bucal a camada interna (chamada dentina) que deveria estar protegida pelo esmalte.

 

Isso acontece porque ocorre um amolecimento do esmalte do dente, que vai sofrendo um desgaste acentuado, ocorre de maneira muito discreta, não visível a olho nu, e de forma indolor, provocado por um processo químico de dissolução do esmalte por ácido, e sem nenhum envolvimento de bactérias.

 

Você sabia que a Erosão Dentária hoje é uma das doenças de maior incidência na boca do ser humano, chamadas de “Mal do Século”, com cerca de 80% da prevalência em pessoas jovens e de meia idade”?

 

Isso acontece como consequência do “Estilo de Vida Atual”, fruto de uma combinação de  3 fatores : (1)dieta ácida, (2)estresse e ansiedade e (3)apertamento dentário ou ranger dos dentes . Quando estes fatores ocorrem concomitantemente , as pessoas mesmo sem ter nenhuma patologia bucal, como cárie ou inflamação gengival , verão seus dentes em severo colapso, pois a perda do esmalte causa atém da sensibilidade dentária, um grave problema de mordida que prejudica de forma crescente o engrenamento dos dentes.

 

Vamos entender um pouco mais sobre estes 3 fatores.

 

1. Dieta Ácida

 

Uma das origens da erosão dentária está na ingestão de alimentos e produtos com alto índice de acidez, como refrigerantes, bebidas energéticas, frutas ácidas e sucos de frutas naturais ou industrializados. Assim como escovar os dentes logo após a ingestão de alimentos ácidos, pois o pH da boca passa de 6,4 para 5,5, e neste momento, a flora bacteriana e as enzimas presentes na saliva estão em níveis mais elevados dentro da boca, fragilizando o esmalte dos dentes. A escovação imediata pode ocasionar um desgaste maior e acelerado.

 

2. Estresse e Ansiedade

 

De acordo com pesquisas da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é recordista mundial em transtornos de ansiedade: 9,3% da população sofre com o problema (18,6 milhões de pessoas) e a depressão afeta 5,8% da população (um total de 11,5 milhões de pessoas), ficando na posição de país com maior prevalência de depressão da América Latina, atrás somente dos Estados Unidos, que têm 5,9% de depressivos.

 

Os sintomas do estresse e ansiedade diários não sobrecarregam apenas a mente, mas também os dentes são afetados pelo estilo de vida atual, que nos coloca ativos 24 horas por dia, sem conseguir nos desconectar do celular.

 

3. Apertamento Dentário ou Ranger dos Dentes.

 

Frequentemente relacionado com a tensão emocional, o apertamento excessivo dos dentes é um hábito parafuncional diurno e noturno, que pode ser classificado como doença psicossomática (que resulta na influência da parte psíquica na parte física do organismo). E pode ter o grau aumentado em pessoas que tomam medicamentos antidepressivos, ocorre com uma intensidade maior principalmente à noite durante o sono, período em que não existe um controle dos mecanismos conscientes.

 

6 Dicas para minimizar a Erosão Dentária:

 

  1. Evitar fazer refeições com alto índice de acidez e escovar os dentes imediatamente. É indicado esperar 30 minutos para escovar os dentes depois de consumir ácidos, evitando, assim, a ação abrasiva das pastas dentais na superfície ainda amolecida do dente;
  2. Usar pastas com fluoreto de amina – que ajudam a endurecer o esmalte do dente. E, para os mais sensíveis, pastas com a tecnologia CalSeal, desenvolvida para melhorar a resistência a alimentos ácidos, ideal para pacientes com sensibilidade;
  3. Evitar bebidas ácidas antes de dormir, quando os efeitos protetores da saliva estão reduzidos;
  4. Usar placa protetoras para dormir e em momentos que desencadeiam tensão entre os dentes (durante exercícios físicos, por exemplo). Essa proteção é fundamental para prevenir o grande malefício de perda de volume de esmalte;
  5. Priorizar o fio dental e a boa escovação para evitar a pigmentação e as manchas dentais e as inflamações de gengiva;
  6. Ficar alerta: a gengiva não deve sangrar jamais. Se sangrar, é forte indício de alguma doença.

 

 

E para quem perdeu ou desgastou o esmalte dentário, hoje é possível reconstruir o esmalte  desgastado com restaurações em cerâmicas dentais. O Ateliê Oral é pioneiro no Brasil em reconstruções com cerâmicas dentais, por possuir 30 anos um laboratório interno e exclusivo, para os clientes do Ateliê Oral lapidarem o sorriso com cerâmicas, de forma personalizado e artesanal.

WhatsApp chat